Em reunião com a Aepes candidato a federal Edmar Camata pede para Policiais Civis combaterem a corrupção

Por AEPES 15/09/2018

O candidato a deputado federal pelo PSB, Edmar Camata com o número 4000 esteve nesta quinta-feira (13) reunido com a diretoria da entidade e durante o bate papo produtivo o candidato fez um pedido especial: que os Policiais Civis o ajudem na luta ao combate à corrupção. Ainda na pauta do dia ainda na pauta do dia a carreira única, a valorização dos Policiais Civis e ainda, recordação do seu tempo de universitário na UFES, quando foi “calouro” do presidente da Aepes no curso de Direito.

A amizade de anos com o candidato fortaleceu ainda mais a confiança que o presidente da Aepes tem em Camata para defender os pleitos da categoria policial.
“Conheço Edmar Camata há tempos, desde a nossa época de juventude e posso afirmar que ele é uma pessoa honesta, que combate à corrupção e que tem excelentes projetos para as polícias Civil, Federal e Rodoviária Federal que melhorarão muito a qualidade de trabalho da polícia”, diz.

Edmar Camata é o único candidato apoiado pela Frente Nacional de Agentes da Polícia Federal, ele afirma que 90% das pautas que trata dos Policiais Federais e Rodoviários Federais serão comuns aos Escrivães de Polícia. “Eu conheço muito dessas pautas e talvez o que a gente tenha que sentar e conversar no futuro sejam 10% das pautas naquilo que conflitar com alguma das outras categorias”.

Durante a reunião o presidente da Aepes e o vice-presidente da entidade, Clóvis José Ferreira Guioto pediram ao candidato que, se eleito, que as portas de seu gabinete em Brasília estejam abertas para a Associação e suas demandas.

“Nós percebemos que como está hoje não está bom para os Policiais Civis com a divisão que existe dentro da instituição, com o lobby que há no congresso nacional, tirar direitos dos policiais, estão colocando a conta da previdência nas ‘nossas costas’, retirar a nossa aposentadoria especial e tudo isso gera uma insegurança muito grande. Então, elegendo pessoas que sentem na pele essas situações que podem piorar, será muito importante”, refletiu Guioto.   

O candidato atuou durante 12 anos em movimentos anticorrupção e nos últimos quatro anos coordenou a ONG Transparência Capixaba. Criou o movimento de combate à corrupção eleitoral no Espírito Santo. Para Camata a luta contra a corrupção deve ser ainda maior e ele sonha em que um dia os Policiais Civis possam atuar com independência. Camata afirma categoricamente que corrupção se combate com atitude.

“Eu gostaria muito que pudéssemos lutar para que as Polícias Civis entrassem no combate à corrupção com independência. Sem depender de um delegado querer ou não investigar a corrupção. Era para nós termos 27 vezes a Lava Jato nos Estados e nos municípios e não temos por algum motivo e quando vamos estudamos, vemos uma falta de estrutura dos Ministérios Públicos e vemos também uma dependência política das Polícias Civis e isso é uma pauta para congresso. Temos que brigar lá e colocar gente aqui brigando na Assembleia Legislativa e o ciclo completo aparece também como uma solução para isso”, reflete Edmar.

No final do bate papo, o candidato a deputado federal assinou um documento produzido pela Associação dos Escrivães da Polícia Civil do Estado do Espírito Santo onde se compromete com a valorização da categoria e a manter o canal do diálogo aberto com a entidade caso seja eleito. 

Fortaleça a sua classe. Associe-se!
Produção: Assessoria de Imprensa da Aepes.

Por: AEPES 15/09/2018