Policiais Civis, Policiais Militares e agentes penitenciários de Roraima exigem pagamento de salários atrasados

Por AEPES 10/12/2018

A segurança pública do estado de Roraima vive hoje um momento de calamidade. Policiais civis, militares e agentes penitenciários paralisaram as atividades devido à situação precária gerada pelo não pagamento de dois meses de salário e de investimento público, moradores estão em situação de medo.

Desde a quinta-feira (6), os policiais militares se mantêm aquartelados nos batalhões da capital do estado, Boa vista. As esposas permanecem bloqueando as entradas de quartéis de seis cidades de Roraima. “Estamos entrando para o terceiro mês sem salários, os nossos maridos trabalhando e não estão recebendo”, disse uma das manifestantes.

“Reivindicamos o pagamento dos salários. Estamos vivendo uma situação bastante crítica nas nossas casas. Nossas contas não estão mais em dia e tem famílias sem condições até de manter tratamentos médicos para os filhos”, disse Renata Borges, 31, esposa de um bombeiro.

A única delegacia na capital que funcionava não tinha nem mais papel e policiais civis estão sem salários há dois meses. “Não tem internet, não tem sistema para que se faça qualquer procedimento, não tem papel, não tem tinta de impressora”, diz Leandro Almeida, presidente do Sindicato dos Policiais Civis.

Em frente à cadeia, agentes penitenciários também protestaram. Segundo os agentes as viaturas não tinham nem combustível devido a falta de dinheiro, e esse é apenas um dos problemas. Desde outubro a categoria não recebe salários. Para denunciar o descaso, os agentes resolveram bloquear a entrada da Secretaria de Justiça. Ninguém entra.

Em novembro, a governadora Suely Campos (PP) se comprometeu a regularizar os salários, o que ainda não aconteceu. A Justiça Federal determinou que o governo pague os salários de policiais e agentes penitenciários em 24 horas.

“Esperamos que, com uma ordem judicial, o estado efetivamente venha a cumprir as suas obrigações. Até porque, de outra forma, a intervenção federal que foi acordada, acertada, dentro do estado de Roraima se torna ineficaz”, explica o procurador da República Miguel Lima.

A falta de pagamento também atinge outras categorias do serviço público do estado. A exceção dos trabalhadores da Saúde e Educação, os demais estão há quase dois meses sem receber. O último salário pago pelo estado, que era referente a setembro, foi quitado em 9 de novembro com atraso de um mês. Desde então, nenhum outro pagamento foi feito.

INTERVENÇÃO

Ao invés de discutir a forma de resolver o pagamento dos servidores, o governo Michel Temer, resolveu decretar intervenção federal no estado até o dia 31 de dezembro. De acordo com a assessoria da Presidência, a governadora Suely Campos será afastada do cargo após o interventor federal ser nomeado. O interventor será o governador eleito, Antonio Denarium (PSL).

“Com isso nós queremos, na verdade, pacificar as questões de Roraima. E vejam que, sem embargo de tratar-se de uma intervenção já agora, no próprio estado, mas é de comum acordo com a senhora governadora. Foi pelo menos o que nós falamos ao telefone com ela. Não apenas eu, mas a senhora advogada-geral da União”, disse Temer.

COBRAPOL

O presidente da COBRAPOL, André Luiz Gutierrez, mais uma vez, solidarizou-se com os profissionais da segurança pública do Estado de Roraima: “O quadro que verificamos no estado, infelizmente, não é muito diferente do que assistimos em outras regiões do país, o que demonstra o descaso das autoridades nesses últimos anos com um setor crucial para a sociedade. Nossa solidariedade à luta de todos os profissionais de segurança pública de Roraima, em especial, aos valorosos integrantes de nossa Polícia Civil, instituição estratégica na defesa do cidadão”.

Fortaleça a sua classe, Associe-se!

Produção: Assessoria de Imprensa da Aepes com informações COBRAPOL.

Por: AEPES 10/12/2018